Poesia - Ressuscitem, Ó Hinos!


2 min de leitura
20 Oct
20Oct

Poesia Livre
Título: Ressuscitem, Ó Hinos!
Autoria: Pr. Reginaldo Alves Dos Santos


Todos os dias, aqui nesses dias, 

Tradições morrem.

Os antigos, por conservarem, 

Agora são apenas antigos.


Antigamente, quem diria, 

Antigamente agora nos traz saudades.

Quem dera, por certo alguns já reconhecem, 

Os hinos de antigamente ressuscitassem; 

Que Fossem de novo.


Não, não me refiro a tão antigamente, 

Do qual raríssimos são os fragmentos.

Falo do antigamente recente.

Daquele do qual a voz profética se fez ouvir: 

“Sai dela povo meu!”


Tempo em que a Noiva deixou o calabouço 

Onde agonizava de fome e sede.

Quantos hinos ela cantou 

Por ter nova chance de ser livre.

Alegre cantou Wesleys, cantou Luteros, 

Cantou Leivas; Tantos outros…


Multiplicaram-se suas canções, 

Justificaram-se tantos e valiosos hinários.

Tudo o que a Noiva do antigamente recente queria 

Era com louvor atrair seu Noivo a aproximar-se.


Alguma coisa morreu. 

Não a Noiva, não o Noivo, 

Este que ainda se aproxima.

Morreu o saber louvar, 

O saber porque se canta, 

A chama do amor agradecido.


Pobre Noiva que hoje canta melodias vazias.

Canções desletradas, desalmadas, sem provas, 

Se ver obrigada a sussurrar.


Ressuscitem, ó hinos!

Eles bem querem ressuscitar, 

Mas antes a Noiva de seu novo calabouço 

Precisa escapar.


Ela está triste. Ainda que banhada no corpo, 

Traz seus pés sujos.

Se outra vez for livre do amor frio pelo Noivo 

A plenos pulmões tornará a cantar 

Novos e antigos hinos provados.


Salmos e Hinos, Harpas e Hinários 

Nunca deveriam à míngua morrer.

Olhem, os que exaltam o hoje, e digam: 

O que a Noiva cantará para seu Noivo?

Lamentações? Admissões de fracasso? 

Arrojos de paixão fantasiosa?

Não a tratem assim 

Nem cansem os ouvidos de seu Amado.


Lembra-te, ó Noiva, 

Que os hinos que no passado cantastes 

Não nasceram em estúdios, mas no fogo;

Não no vai e vem do metal, 

Mas das lágrimas de Wesleys 

E Luteros, e Leivas e tantos outros.